Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feel Me

Sou tudo o que escrevo e escrever é o que me move!

Feel Me

Sou tudo o que escrevo e escrever é o que me move!

Qua | 06.06.18

Não tens ideia...

sueamado



Não tens ideia de quantas vezes nos imaginei juntos, frente a frente, a debitarmos os milhões de palavras que servem para falarmos de nós. Não tens ideia dos sonhos que os meus sonos conseguem fazer acontecer, tendo-te onde me fazes falta, e estando eu, onde precisas para te reconstruíres. Não tens ideia, tal como não tinha antes, da importância que adquiriste na minha vida.


Nada poderia ser igual se tu deixasses de estar. Nada me faria continuar, e suportar a tua ausência, se escolhesses deixar de me escolher. Nada poderia servir-me, iluminando-me o sorriso como apenas tu consegues, se os meus dias não te trouxessem.

Por vezes parecemos ter já caminhado muitas vidas, mas a realidade, a nossa, é bem mais recente, mesmo que estejamos a carregar alguma história comum. Sei que fui pedindo, por vezes a medo, que me permitissem recomeçar, tendo ao meu lado quem me carregasse ao colo, se estivesse frágil, quem risse comigo e fosse capaz de me desejar TANTO, que eu nunca precisasse de precisar de nada mais. 

Não sei se terás ideia, meu amor, do que me passas de cada vez que dizes - Olá querida - Não sei se me entendes e lês, mas a verdade é que contigo tudo é bom, até quando arriscamos "zangar-nos". Quando dizemos coisas distintas querendo apenas dizer o mesmo. Não sei se terás ideia, certamente que ainda não, do que serei capaz de fazer e mudar por ti, mas breve, muito breve, e até porque já está escrito, sentirás sem que precise de usar qualquer palavra. Não tens ideia, mas eu vou ajudar, todos os dias, a que me percebas!
Qua | 06.06.18

Não tens ideia...

sueamado



Não tens ideia de quantas vezes nos imaginei juntos, frente a frente, a debitarmos os milhões de palavras que servem para falarmos de nós. Não tens ideia dos sonhos que os meus sonos conseguem fazer acontecer, tendo-te onde me fazes falta, e estando eu, onde precisas para te reconstruíres. Não tens ideia, tal como não tinha antes, da importância que adquiriste na minha vida.


Nada poderia ser igual se tu deixasses de estar. Nada me faria continuar, e suportar a tua ausência, se escolhesses deixar de me escolher. Nada poderia servir-me, iluminando-me o sorriso como apenas tu consegues, se os meus dias não te trouxessem.

Por vezes parecemos ter já caminhado muitas vidas, mas a realidade, a nossa, é bem mais recente, mesmo que estejamos a carregar alguma história comum. Sei que fui pedindo, por vezes a medo, que me permitissem recomeçar, tendo ao meu lado quem me carregasse ao colo, se estivesse frágil, quem risse comigo e fosse capaz de me desejar TANTO, que eu nunca precisasse de precisar de nada mais. 

Não sei se terás ideia, meu amor, do que me passas de cada vez que dizes - Olá querida - Não sei se me entendes e lês, mas a verdade é que contigo tudo é bom, até quando arriscamos "zangar-nos". Quando dizemos coisas distintas querendo apenas dizer o mesmo. Não sei se terás ideia, certamente que ainda não, do que serei capaz de fazer e mudar por ti, mas breve, muito breve, e até porque já está escrito, sentirás sem que precise de usar qualquer palavra. Não tens ideia, mas eu vou ajudar, todos os dias, a que me percebas!
Ter | 05.06.18

E se ficarmos sem tempo?

sueamado
Cool head


Os planos podem ser apenas isso, e por vezes, não tão raras quanto isso, não somos capazes de completar o que desejámos.

E se ficarmos sem tempo enquanto procuramos pelo que já existe e até encontrámos? E se perdermos o que tanto nos custou a conquistar, apenas porque nos adiámos e fizemos esperar quem não soube ler-nos? E se sonhar, mesmo que acordado, nunca passar disso mesmo? Não vai bastar. Não vai ter um sabor que nos saiba bem. Não vai consolidar nenhuma das promessas que desbaratámos. Não vai durar o tempo que duraremos nós, mas servirá para que o recordemos, doridos, para sempre.

Não quero ficar sem tempo, por isso vou beijar-te durante todos os momentos que me couberem, porque ninguém me prometeu o amanhã. Vou abraçar-te até que a dor se torne boa e te cole mais a mim. Vou andar contigo pelas nuvens, mas sabendo que te tenho para manter. Vou chorar, de alegria, porque não pretendo ficar sem tempo, nem sem ti. Não te vou dizer adeus e não vou permitir que te vás para lá do tempo que afinal ninguém controla.

E se ficarmos sem tempo, como é que nos iremos perdoar e continuar a viver?


Ter | 05.06.18

E se ficarmos sem tempo?

sueamado
Cool head


Os planos podem ser apenas isso, e por vezes, não tão raras quanto isso, não somos capazes de completar o que desejámos.

E se ficarmos sem tempo enquanto procuramos pelo que já existe e até encontrámos? E se perdermos o que tanto nos custou a conquistar, apenas porque nos adiámos e fizemos esperar quem não soube ler-nos? E se sonhar, mesmo que acordado, nunca passar disso mesmo? Não vai bastar. Não vai ter um sabor que nos saiba bem. Não vai consolidar nenhuma das promessas que desbaratámos. Não vai durar o tempo que duraremos nós, mas servirá para que o recordemos, doridos, para sempre.

Não quero ficar sem tempo, por isso vou beijar-te durante todos os momentos que me couberem, porque ninguém me prometeu o amanhã. Vou abraçar-te até que a dor se torne boa e te cole mais a mim. Vou andar contigo pelas nuvens, mas sabendo que te tenho para manter. Vou chorar, de alegria, porque não pretendo ficar sem tempo, nem sem ti. Não te vou dizer adeus e não vou permitir que te vás para lá do tempo que afinal ninguém controla.

E se ficarmos sem tempo, como é que nos iremos perdoar e continuar a viver?


Sab | 02.06.18

Onde param os homens?

sueamado
Tenho manhas com jeito de mulher fatal. Mas zangada faço biquinho e quando contente eu dou carinho....

Onde param os homens? Sim, a pergunta é mesmo essa.  Onde param os homens? Aqueles e não estes de agora, até os que já o são de algum tempo. Onde param os homens que se conhecem porque já determinaram há MUITO, qual o caminho que precisavam de trilhar? Homens que não se escudam em "ses", usando-os entre cada frase. Homens que enfrentam ventos e tempestades e que não vão a correr recolher-se nos chapéus-de-chuva mais próximos. Homens que mesmo sentindo medo, sabem como lidar com cada um?

Não raras vezes digo que na outra encarnação quero ser homem para os entender melhor, mas a porra da coisa é que não me vou lembrar de nada desta vida e certamente que acabarei, também eu, medrosa, assustadiça, encolhida e desejosa de que o vento não sopre demasiado forte.  Por esta altura já terei uns quantos de bandeira bem no alto a gritar que se os conhecesse não falava assim. Yeah, right! Somos todos crescidos até irmos a correr para debaixo das saias das mãezinhas. Os que têm propensão para a psicologia também dirão para o do lado - coitada, teve muitos desgostos amorosos - mas não meus amigos, tive juízo e pragmatismo que bastasse para pôr a correr uns quantos e para nunca atingir a red zone.

Homem que é homem"... tanto que ouvia esta expressão e outras bem másculas, mas pelo que parece a masculinidade tem fugido para a violência que está a aumentar. Compreende-se que assim seja, é que quando nos faltam os argumentos, a bagagem e a vida que deveríamos viver, recorremos ao mais fácil.

Não meus amigos e amigas, não estou azeda, nem sequer amargurada, estou apenas desiludida com a humanidade, é que por mais que me esforce e tente modernizar, o meu modelo ainda passa por homens e mulheres a serem felizes juntos, construindo cada sonho e resistindo às adversidades, mas também sou um ser adaptável e percebo que ou tenho ao meu lado quem reme comigo, ou afogo-o depressa para não me pesar no barco.

Embora lá a crescer pessoal, é que a vida não espera e eu também não estou a ficar mais nova, gostava, sinceramente, de ainda poder escrever de forma optimista e conciliadora, ainda neste século, se não for pedir muito.
Sab | 02.06.18

Onde param os homens?

sueamado
Tenho manhas com jeito de mulher fatal. Mas zangada faço biquinho e quando contente eu dou carinho....

Onde param os homens? Sim, a pergunta é mesmo essa.  Onde param os homens? Aqueles e não estes de agora, até os que já o são de algum tempo. Onde param os homens que se conhecem porque já determinaram há MUITO, qual o caminho que precisavam de trilhar? Homens que não se escudam em "ses", usando-os entre cada frase. Homens que enfrentam ventos e tempestades e que não vão a correr recolher-se nos chapéus-de-chuva mais próximos. Homens que mesmo sentindo medo, sabem como lidar com cada um?

Não raras vezes digo que na outra encarnação quero ser homem para os entender melhor, mas a porra da coisa é que não me vou lembrar de nada desta vida e certamente que acabarei, também eu, medrosa, assustadiça, encolhida e desejosa de que o vento não sopre demasiado forte.  Por esta altura já terei uns quantos de bandeira bem no alto a gritar que se os conhecesse não falava assim. Yeah, right! Somos todos crescidos até irmos a correr para debaixo das saias das mãezinhas. Os que têm propensão para a psicologia também dirão para o do lado - coitada, teve muitos desgostos amorosos - mas não meus amigos, tive juízo e pragmatismo que bastasse para pôr a correr uns quantos e para nunca atingir a red zone.

Homem que é homem"... tanto que ouvia esta expressão e outras bem másculas, mas pelo que parece a masculinidade tem fugido para a violência que está a aumentar. Compreende-se que assim seja, é que quando nos faltam os argumentos, a bagagem e a vida que deveríamos viver, recorremos ao mais fácil.

Não meus amigos e amigas, não estou azeda, nem sequer amargurada, estou apenas desiludida com a humanidade, é que por mais que me esforce e tente modernizar, o meu modelo ainda passa por homens e mulheres a serem felizes juntos, construindo cada sonho e resistindo às adversidades, mas também sou um ser adaptável e percebo que ou tenho ao meu lado quem reme comigo, ou afogo-o depressa para não me pesar no barco.

Embora lá a crescer pessoal, é que a vida não espera e eu também não estou a ficar mais nova, gostava, sinceramente, de ainda poder escrever de forma optimista e conciliadora, ainda neste século, se não for pedir muito.

Pág. 6/6